Vereadoras negras e trans estão entre as candidaturas mais votadas em 13 capitais

106
Candidatas foram eleitas neste domingo (15) em grandes cidades do país; confira quem são elas
Apesar do avanço em algumas regiões, nas outras 12 capitais nenhuma mulher negra ou trans está entre os dez mais votados para a vereança – Foto: Pablo Vergara

O primeiro turno das eleições municipais deste ano se encerrou anunciando um 2021 um pouco mais diverso e representativo nas casas legislativas.

Segundo levantamento feito pelo Brasil de Fato, treze mulheres negras e três mulheres transexuais estão entre as dez candidaturas mais votadas em grandes capitais do Brasil. Eleita para a Câmara Municipal de São Paulo, Erika Hilton é a única que aparece nas duas contagens por ser negra e mulher trans.

Em relação a gênero e raça, na região sul do país, em Porto Alegre (RS) a agora vereadora Karen Santos (PSOL ) foi a mais votada da capital gaúcha com 15.702 votos. O mesmo aconteceu em Recife (PE), onde Dani Portela, da mesma sigla, angariou 14.114 votos, sendo a mais votada na cidade.

Porto Alegre elegeu ainda Laura Sito (PT), a décima vereadora com mais votos. Em Curitiba, Carol Dartora, também do PT, foi a terceira mais votada com 8.874 votos depositados nas urnas.

:: Mulheres: 59 disputaram as capitais; uma venceu no 1º turno e somente 5 avançaram ::

Já em Vitória, no Espírito Santo, outras duas mulheres negras estão entre as 10 candidaturas mais votados na cidade: Camila Valadão (PSOL), na segunda posição com 5.625 votos e Karla Coser (PT), sétima colocada com 1.961 votos.

No Rio de Janeiro, Tainá de Paula (PT) foi eleita com 24.881 votos e ocupa a nona posição entre as mais votadas na cidade carioca.

Em Cuiabá (MT), as mulheres negras serão representadas por Edna Sampaio (PT), a oitava candidata mais votada, com 2.902 votos.

Aquela que pode ser considerada uma onda antirracista e feminista também chegou na região Norte do Brasil. Em Belém, no Pará, a candidata Vivi Reis foi a quinta candidatura mais votada. Ela recebeu 9.654 votos na cidade.

:: Mulher, preta, amazônica: Vivi Reis é a 5ª vereadora mais votada de Belém, no Pará ::

No Rio Grande do Norte, em Natal, a candidata Divaneide (PT) foi a segunda mais votada, sendo escolhida por 5.966 cidadãos.

Na região Nordeste, em Maceió, (AL), a única mulher negra entre os dez vereadores mais votados foi Fátima Santiago (PP), que eleita com 5.577 votos, ocupa a nona posição. Já em Salvador, na Bahia, Ireuda Silva (Republicanos) foi a 4ª candidata mais votada, com 12.098 votos.

Diversidade

Em uma eleição histórica para a população LGBTQI+, duas mulheres trans estão entre as candidatas mais votadas em suas cidades.

A Professora Duda Salabert (PDT) foi a vereadora mais votada em Belo Horizonte (MG) com 37.613 votos, e, em Aracaju (SE) Linda Brasil (PSOL) também ficou em primeiro lugar e foi a candidata mais votada com 5.773 votos.

Já em São Paulo, Erika Hilton, mulher trans e negra, foi a 6º candidata mais votada, com 50.477 votos. Os homens trans também serão representados por Thammy Miranda na capital paulista, nono candidato com mais votos.

:: Eleição de Kamala Harris nos EUA é importante, “mas não salvação”, diz Rosane Borges :: 

Por outro lado, nas outras 12 capitais (Rio Branco, Manaus, Fortaleza, Goiânia, São Luiz, Campo Grande, João Pessoa, Teresina, Porto Velho, Roraima, Florianópolis e Palmas) nenhuma mulher negra ou trans está entre as dez candidaturas mais votadas.

Edição: Leandro Melito

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome