Governo remaneja servidores da saúde e ameaça cortar salários

444

Mais de 600 servidores lotados em diversos municípios do estado estão desde a última sexta-feira (31), na sede da Secretaria da Saúde (SESA), em Fortaleza, para saber mais informações sobre a sua lotação já que muitos estão sendo remanejados de suas unidades de saúde. A situação se deu após o fim do convênio de Municipalização da Saúde firmado entre o Governo e os municípios.


A maioria dos servidores está sem saber o que fazer. Eles informam que foram convocados por ofício a comparecer à sede da SESA, portando todos os documentos, sob ameaça de suspensão do pagamento, caso não compareçam. Porém, o governo exigiu a presença de todos, mas não disponibilizou a mínima condição de deslocamento para os trabalhadores.


O Sindicato Mova-se esteve na SESA, tanto na sexta-feira como nesta segunda-feira (03), para acompanhar a situação de cada servidor público. De acordo com informações da Secretaria, com o encerramento do convênio entre o Governo do Estado e as Prefeituras do interior e de Fortaleza, os servidores só poderão continuar trabalhando nos seus respectivos municípios se os gestores municipais assumirem os custos com os proventos deles.


Para o coordenador-geral do Mova-se, Flavio Remo, na prática, a maioria dos servidores de apoio administrativo/operacional (administrativos, vigilantes, auxiliar de serviços, etc…), já com tempo de aposentadoria, serão prejudicados. “Eles têm os menores salários do estado e não possuem condições nenhuma de pagar os custos para trabalhar em outra região. Isso mostra a insensibilidade de um governo que se diz progressista, e ao mesmo tempo força o servidor público a pedir sua aposentadoria”, afirma.

 


Serviço:

Assessoria de Imprensa
Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Estadual do Ceará – Mova-se
Contato: (85) 3226.0665/99902.0458
E-mail: falecom@mova-se.com.br
Facebook: www.facebook.com/SindicatoMovaSe/

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome