Bancários vão começar a mobilização para a Campanha Nacional

27

Organização e agitação pelas entidades e participação da categoria são fundamentais

A data-base dos reajustes salariais, vales refeição e alimentação, valores da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e tantos outros direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) das bancárias e bancários é somente em 1º de setembro. Mas, as entidades sindicais já estão se organizando para mobilizar a categoria para a Campanha Nacional dos Bancários 2024.

A presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenadora do Comando Nacional do Bancários, Juvandia Moreira, conversou com nossa redação e falou um pouco sobre a mobilização da categoria. Ela ressaltou a importância da categoria para a Campanha. “Sem a união e participação das bancárias e bancários, as entidades sindicais podem fazer muito pouco”, disse.

Juvandia também disse que os sindicatos e seus dirigentes devem marcar presença constante em suas bases. “Eles precisam estar em cada agência e departamento administrativo dos bancos, para acompanhar o dia a dia de trabalho e saber quais são os problemas que afetam as trabalhadoras e os trabalhadores e quais são seus anseios, o que eles querem, o que eles precisam para desenvolver suas tarefas profissionais em um ambiente saudável, com segurança, para que, sabendo disso, possam defender a valorização do trabalho da categoria, para que todos tenham uma vida digna com suas famílias”, reforçou.

A presidenta da Contraf-CUT ainda explicou por que a categoria bancária é conhecida e respeitada pela organização, mobilização e sucesso de suas campanhas. “Isso só acontece porque todas as bancárias e todos os bancários podem participar, desde a definição das prioridades e estratégias da campanha, até a aprovação final das cláusulas da Convenção Coletiva e dos acordos específicos por bancos”, disse.

Veja abaixo a íntegra das respostas sobre a mobilização da categoria e a agenda da campanha.

Juvandia Moreira, presidenta da Contraf-CUT, coordenadora do Comando Nacional dos Bancários e vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Qual a importância das mobilizações dos bancários para que as negociações da Campanha Nacional dos Bancários deste ano avancem?
A mobilização precisa ser vista por dois enfoques: O primeiro é de organização e agitação da categoria, que é de responsabilidade das entidades de representação sindical, desde o âmbito local (os sindicatos), estaduais ou regionais (as federações) e nacional (a Contraf-CUT e o Comando Nacional dos Bancários). Mas sem a união e participação das bancárias e bancários, que é a segunda parte, as entidades podem fazer muito pouco.

É importante que os sindicatos e seus dirigentes estejam presentes em suas bases, em cada agência e departamento administrativo dos bancos, para acompanhar o dia a dia de trabalho e saber quais são os problemas que afetam as trabalhadoras e os trabalhadores e quais são seus anseios, o que eles querem, o que eles precisam para desenvolver suas tarefas profissionais em um ambiente saudável, com segurança, e, sabendo disso, possam defender a valorização do trabalho, para que a categoria possa ter uma vida digna com suas famílias.

Mas, para lutar pela resolução dos problemas que afligem a categoria e pela valorização do trabalho bancário, é preciso que cada trabalhadora, cada trabalhador também esteja antenado nas questões que são apresentadas pelos sindicatos e participe das atividades propostas.

Com organização, união e participação de todos somos mais fortes! E podemos alcançar grandes objetivos desta maneira.

Qual será a agenda de preparação da campanha deste ano?
O movimento sindical bancário é conhecido e respeitado, mesmo por outras categorias, pela grande organização e mobilização de suas campanhas. E isso só acontece porque todas as bancárias e todos os bancários podem participar desde a definição das prioridades e estratégias da campanha, até a aprovação final das cláusulas da Convenção Coletiva e dos acordos específicos por bancos.

Tudo começa com a Consulta Nacional à categoria. Bancários e bancárias são chamados a responder um questionário para que, a partir das respostas de cada uma e cada um, possamos definir o que será colocado na mesa de negociações com os bancos. Neste ano, a consulta deve ser iniciada por volta de abril. E é importante que todas e todos participem, mesmo que não estejam filiados ao sindicato de sua base.

Ao mesmo tempo, os sindicatos reúnem as bancárias e bancários de suas bases para, até o final de maio, debater todas as questões que envolvem a categoria, levantar propostas e eleger delegados para apresentar estas questões e defender essas propostas nas conferências regionais.

O acúmulo das propostas trazidas nos debates realizados nas bases sindicais, somado às contribuições da Consulta Nacional, será sintetizado nos encontros nacionais específicos de trabalhadores de cada banco (de 4 a 6 de junho) e na Conferência Nacional dos Bancários (de 7 a 9 de junho). Esta síntese é organizada e redigida como uma minuta de reivindicações que será entregue à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) ainda em junho, para que as negociações se iniciem em julho e, se possível, a gente consiga chegar a uma proposta de acordo com os bancos antes do final de agosto.

Esta proposta é levada para aprovação pelas bancárias e bancários em assembleias em todo o Brasil e, se aprovada, seja assinada para que se torne a nova Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria.

 

 

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome