MOVA-SE participa do lançamento do Pacto pelo Pecém

425

O objetivo do pacto é discutir o impacto econômico ambiental e humano dos empreendimentos a serem instalados no Complexo Industrial e Portuário do Pecém e  que devem duplicar o PIB Cearense nos próximos anos.

O diretor do MOVA-SE, Hernesto Luz, que coordena o Fórum de trabalhadores do Porto do Pecém, questionou a postura do governador que apenas se referiu aos trabalhadores como “mão de obra”, esquecendo o seu lado humano e social.

“O governador enumerou uma a uma as obras que dobrarão o PIB (Produto Interno Bruto) atual de R$ 85 bilhões. No entanto, não falou de que forma e se as obras vão alterar o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Ceará e, especificamente do Pecém que, mesmo com o PIB em ascensão, continua a ser um dos mais baixos do país”. Destacou.

Segundo Hernesto, os lucros crescentes da Cearaportos não são revertidos em melhorias para os trabalhadores ou para a população do entorno do complexo portuário. “Falta à população o acesso a boas escolas, saneamento básico, saúde e empregos decentes. Já os trabalhadores são massacrados em jornadas extenuantes para bater as margens de lucro. O resultado são os constantes acidentes de trabalho – quatro deles ocorridos no espaço de seis meses em 2011.
As Obras que impactarão o estado

O governador destacou que o Pecém passará a ser um porto de cabotagem. “Vamos comprar um navio que terá capacidade para transportar cinco mil veículos de um porto a outro”, celebrou.
ZEP – Ainda este ano, a Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Pecém será totalmente instalada.
Siderúrgica – A siderúrgica, que faz parte da ZPE e já está com as obras iniciadas, tem previsão para início de funcionamento já em 2015.
Refinaria – Já a refinaria já tem toda a área requerida pela Petrobras para implantação comprada, o que corresponde cerca de 1.900 hectares.
Termelétrica – Outro empreendimento a ser implantado no CIPP é uma termelétricas que será um das maiores do Brasil, com capacidade para 1.080 megawatts. “Todo o Ceará necessita de 1.300 megawatts de energia, com isso teremos quase o necessário para suprir o Estado. Em 2013, o Ceará, que era até seis anos atrás 100% importador de energia, passará a ser exportador”, completou Cid Gomes.
Parque Éólico – Com ele, o CIPP se tornará autossuficiente em energia.

Centro de Treinamento Técnico Corporativo (CTTC) – para a capacitação da mão de obra para os empreendimentos.

Duplicação da CE-085 – que passa pela região do Porto, já teve ordem de serviço assinada nos trechos de Caucaia a Paracuru. A duplicação começará pelo segundo trecho, para liberar a área onde será instalada a Refinaria Premium II, com extensão de 12,56 quilômetros.

Na segunda fase de ampliação do Porto, necessária pela demanda dos novos empreendimentos, será realizada também a execução de mais dois berços, para atender as demandas da siderúrgica no que concerne à exportação de placas, além da engorda e pavimentação do quebra-mar existente. Nesta ampliação o estado vai investir R$ 610 milhões.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome