"Temos que qualificar o poder", diz Leonardo Boff, em palestra no Ceará

412

“Estou muito feliz por estar aqui e perceber o entusiasmo de vocês para pensarmos juntos a conjuntura de nosso país”. Assim, o professor, escritor e teólogo Leonardo Boff iniciou sua fala para uma plateia de centenas de pessoas na noite desta quinta-feira (25/9), na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará (SEEB-CE), em Fortaleza. O professor catarinense de 76 anos foi aplaudido de pé antes mesmo de começar o debate, que reuniu profissionais de diversas áreas, estudantes, sindicalistas e representantes de entidades de classe. O doutor em Teologia e Filosofia – e um dos iniciadores da Teologia da Libertação – veio ao Ceará através de uma parceria da CUT-CE e diversos sindicatos. Para Boff, o mundo vive hoje uma “intensidade de crises” e parte do equilíbrio do planeta, inclusive o ambiental, passa pelo Brasil.


Na palestra “Reflexões sobre o Brasil: Diálogos com Leonardo Boff”, o intelectual mostrou-se preocupado também com os esclarecimentos que a população precisa receber principalmente durante o período eleitoral. “O cidadão deve ser crítico e pensar o que está por trás de cada projeto dos candidatos”, alertou. E, ainda no contexto das eleições, ele disse achar “lamentável” que não entre nesse discurso o Brasil que se quer para o futuro. “Temos que qualificar o poder. Matar a fome da população não é assistencialismo. É dever do Estado. Já somos mais de 200 milhões de brasileiros e devemos saber escolher bem nosso representante. O Brasil é muito importante para o mundo”, justificou o pensador.


Conhecido pela militância em defesa das causas sociais e ambientais e aos direitos humanos, Leonardo Boff apontou ainda para três crises atuais que ele considera “terríveis”: o que ele define como “máquina da morte” (armas químicas, biológicas e nucleares); aquecimento global da Terra; e a crise econômica e financeira que estourou em 2008 na Europa e nos EUA, “criando-se um problema na sociedade nunca antes visto na história”. Boff reforçou a ideia de que entrava no debate para “angustiar”

a plateia: “A angústia nos move para a ação e nos coloca no caminho de soluções. Temos de pensar no mundo que deixaremos para nossos filhos e nossos netos”.

Os sindicalistas e o pensador


“Além de uma alegria, é um grande privilégio ter conosco Leonardo Boff porque fazer reflexões sobre o Brasil faz parte do nosso cotidiano”, disse a presidenta da CUT-CE, Joana Almeida, durante a abertura do evento. Para ela, a entidade não poderia perder a oportunidade de ter aliada a ela “um grande pensador, debatedor e filósofo respeitado”, ainda mais no momento atual, com a iminência de decisões no campo eleitoral. “O Ceará é um estado muito importante para a sociedade brasileira. Penso que sairemos daqui com muitas ideias”, avaliou. Nilson Fernandes, diretor de Formação Sindical do Sindicato dos Fazendários do Ceará (Sintaf-CE) e que vem acompanhando Boff há quase uma semana na visita ao Ceará, classificou-o como “o maior pensador brasileiro” e “um homem de muita coragem”.


Em concordância aos colegas sindicalistas, o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, reforçou a importância do debate e o diálogo entre o professor e as entidades de classe e entidades representativas de trabalhadores. “Leonardo Boff tem sensibilidade com relação aos anseios, questões e desafios para que a gente tenha um país mais justo para todos. Temos a clareza que precisamos e queremos mais. Devemos estar alertas e preparados para combater riscos e retrocessos. Fazer esse debate com o Boff é perceber nesse pensador as diversas nuances de um Brasil que quer mais para o futuro”, defendeu Bezerra. A categoria decidiu que iniciará greve no próximo dia 30/9. (Saiba mais em is.gd/8mX8q1)


Recado à classe trabalhadora


Antes do início do evento, Boff autografou livros, recebeu homenagem do coral da SEEB-CE e conversou rapidamente com a equipe da CUT-CE, quando enfatizou a importância de a Central nacional tentar garantir emprego para o maior número possível de pessoas. “Já existem hoje 400 milhões de desempregados no mundo inteiro. O trabalho é o futuro da humanidade”, disse o teólogo, que ainda elogiou a preocupação da CUT com as “dimensões ambientais”. Para ele, a vitória dos trabalhadores conquistadas ao longo dos últimos anos não pode acomodar a classe. Boff pediu aos sindicalistas integrados à Central nacional que mantivessem o dinamismo “para buscar sempre melhorar a situação dos trabalhadores e que seja um benefício para toda a sociedade e não só para a classe”.


Além da CUT-CE, o evento em Fortaleza contou com a parceria do Sindicato dos Fazendários (Sintaf-CE), Sindicato dos Bancários do Ceará, Sindicato APEOC, Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinep) e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE).


Fonte: CUT/CE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome