Mova-se discute "Saúde e Segurança no Trabalho" na Cearáportos

425

O Sindicato Mova-se e o FUTCIPP promoveram, no último dia 29 de abril, o seminário “Saúde e Segurança no Trabalho”, no auditório da Cearáportos. O evento foi alusivo ao Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho, comemorado em 28 de abril. Pulverização do trabalho, acidentes e como agir quando isso acontece foram um dos pontos debatidos.


O primeiro bloco de discussão foi com a professora do Laboratório de Estudos sobre Trabalho da UNIFOR, Regina Maciel, que abordou sobre as relações de trabalho na atividade portuária e condições de vulnerabilidade. A professora apresentou uma pesquisa, elabora em 2012, sobre as condições de trabalho no Porto do Pecém e no Porto do Mucuripe, por meio da análise ergonômica das atividades (condições e organização de trabalho e riscos e agravos à saúde).

Segundo a pesquisadora, as condições de trabalho no Porto do Mucuripe apresentaram pequenas diferenças quando comparadas ao do Pecém, em função do tipo de porto. A pulverização do trabalho também foi um fator preocupante, pois acarreta um ritmo maior de trabalho e pode ser gerador de mais acidentes.


Na época da pesquisa, Regina fez um cálculo dos acidentes entre os dois portos e concluiu que ambos possuíam em média o mesmo número. “O Porto do Pecém apresentou mais dificuldade para se fazer os cálculos por conta da pulverização, o que dificultou a realização de uma estatística da quantidade certa dos acidentes. O meu sentimento é que, no Porto do Pecém, aconteçam mais acidentes, porém a gente não fica sabendo”, afirmou a professora.


No segundo bloco do seminário, abordou-se acerca da política de proteção aos trabalhadores. As pesquisadoras do Grupo de Trabalho sobre Saúde e Segurança do Trabalhador do INSS, Evânia Severiano e Alba Cristina, responderam quais são os direitos colhidos na Previdência Social, os dados que o anuário estatístico apresenta sobre ocorrências de acidentes de trabalho e como o trabalhador se sente quando o fato acontece. “Obviamente que o nosso interesse é evitar que o trabalhador chegue à Previdência, pois quando eles buscam esse atendimento é porque o acidente já

aconteceu. Por isso o trabalho de prevenção é tão importante”, garante Evânia.


Dados

De acordo com o recente levantamento do Ministério da Previdência Social, divulgado neste mês, foram registrados 13,8 mil acidentes de trabalho no Estado somente em 2013, número que implica em uma média de 38 acidentados por dia, ou seja, 40 mil acidentes de trabalho nos últimos três anos no Ceará. De acordo com dados do Ministério do Trabalho, divulgados no ano passado, o Brasil é o quarto país do mundo em número de acidentes fatais no trabalho, tendo como principais causas a banalização das ocorrências e a falta de política de prevenção.


Dessa forma, o Sindicato Mova-se estará sempre na luta pela saúde dos trabalhadores promovendo debates sobre o tema, mobilizando a categoria sempre que possível a fim de pressionar o patronato para que acidentes e adoecimentos de trabalho não ocorram.


Estavam presentes, o coordenador-geral do Mova-se Flavio Remo, o diretor intersindical e coordenador do FUTCIPP Hernesto Luz, a diretora financeira Osmarina Modesto e a diretora da saúde do trabalhador Socorro Mota.


Serviço:

Assessoria de Imprensa

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Estadual do Ceará – Mova-se

(85) 3226.0665/9619.8745

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome