O que se comemorar?

66

Por Ulisses Moreira, Servidor Público e diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Ceará – MOVA-SE.

O tempo não para, é dezembro, e mais uma vez os servidores da Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos humanos- SPS são humilhados com o descaso dos nossos governantes. Não vejo o mínimo de esforço do governo do Estado em diminuir a precariedade em que os trabalhadores e trabalhadoras do serviço público se encontram. Não vejo o mínimo de responsabilidade deste governo para conosco, e em nada o Governo Estadual contribuir para assegurar os nossos direitos, sobretudo quando é legítima a presença do poder público como único agente com competência administrativa de resolver as reivindicações da categoria.
O que se comemorar se a gestão pública do nosso estado não tem um menor respeito por nós? Somos obrigados a conviver com baixos salários, muitas vezes trabalhamos em condições assustadoras, sobre pressão e doenças ocupacionais.
O trabalho tem sido concebido como uma atividade através da qual o ser humano estabelece uma relação com o mundo social, a fim de assegurar a reprodução de suas condições materiais de existência, ou seja, assegurar o nossos direitos fundamentais como: a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança social, no entanto, infelizmente nós servidores estamos desamparados pelo estado. O descaso do governador não está permitindo tal condição para com os que deram a vida ao serviço em benefício do Estado do Ceará. Servidores são obrigados a viver com uma dura realidade, a defasagem salarial que ultrapassam os 25% do quadro de servidores da SPS com baixos salários e quase todos confiscados com empréstimos bancários.
O Governador Camilo Santana (PT), estabeleceu em seu governo uma politica equivocada e desleal, onde, apenas fortalece os privilegiados com apadrinhamento político e ainda na contramão, nos deparamos com um sério problema referente ao trabalho escravo dos terceirizados e colaboradores. Uma vergonha para quem se questiona e diz que faz um trabalho social. Se não existir solidariedade, valorização e respeito entre os que fazem essa secretaria imaginam com os eleitores, usuários e sociedade.
Camilo, não precisamos de discursos e nem de “palavras bonitas”, mas sim, de ações concretas em prol dos servidores (as). É preciso valorizar o servidor público e o primeiro passo para um bom gestor é entender que valorizar o servidor é uma estratégia política, que está em suas mãos, pois dará ainda mais eficiência em sua administração pública.

Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome