CUT repudia retrocessos contra direitos de negros e negras e avisa: vai ter luta

56

A CUT repudia, por meio de nota divulgada nesta quinta-feira (13), a intenção do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), de acabar com a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), e avisa, vai ter luta!

Criada no governo do ex-presidente Lula para coordenar propostas elaboradas em conjunto com os movimentos sociais, a SEPPIR contribuiu decisivamente com o “processo de tomada de consciência, do reconhecimento da dívida histórica do Brasil com sua população negra e a construção de uma nova realidade”, diz trecho da nota, que prossegue lembrando que o ilegítimo Michel Temer (MDB-SP) deu início ao processo de desmonte da secretaria.

A nota ressalta, ainda, a experiência de 500 anos de luta por direitos dos negros e negras brasileiros, que “nunca desistiram frente aos açoites, às degradações e às injustiças ao longo de muitos séculos e não será agora que se deixarão abater!” e reafirma o compromisso da CUT “de continuar a frente na organização da defesa da causa negra e a resistência contra todo tipo de violação aos direitos de todos os humanos, como bem proclama há 70 anos a Declaração Universal dos Direitos Humanos”.

“Trabalhadores e trabalhadoras, homens e mulheres, crianças, jovens e idosos, negros e negras do Brasil, a luta não começa agora, ela começou há mais de 500 anos”, termina a nota que chama a população para a luta.

Confira a íngtegra a nota:

Depois de 14 anos de avanços significativos, conquistados com intensa luta durante os governos democráticos e populares do PT, e dos muitos retrocessos impostos pelo governo ilegítimo de Michel Temer à população negra no Brasil a partir de 2016, parece não ter limites o avanço da direita racista em nosso País.

Poucos dias antes de assumir o poder, o novo governo já antecipa o que se esperava de Jair Bolsonaro: um novo e duro golpe contra os direitos humanos em geral e especialmente contra os direitos dos negros com a já anunciada extinção da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, a SEPPIR.

O início do processo de tomada de consciência, do reconhecimento da dívida histórica do Brasil com sua população negra e a construção de uma nova realidade que emergiu dos governos Lula e Dilma mostraram ao Brasil e ao mundo a decisão de fortalecer a participação de homens e mulheres negros, antes invisíveis,  na vida e no debate sobre o que somos e o que queremos para nosso país.

Após o impeachment de Dilma Roussef, a extinção do Ministério da Igualdade Racial pelo governo de Michel Temer foi parte natural do processo de desconstrução e de volta ao status quo, tentando colocar a população negra “de volta ao seu devido lugar”, sem respeito, sem a garantia de defesa institucional de seus direitos, sem fóruns de debate e representação social, sem justiça social e sem voz como cidadãos de direito e de fato.

As declarações racistas e preconceituosas de Jair Bolsonaro e a postura omissa de sua futura Ministra das Mulheres, Família e Direitos Humanos bem mostram o que espera pela população negra a partir de 2019: MUITA LUTA!

Os negros e negras brasileiros tem mais de 500 anos de experiência em lutar por seus direitos. Nunca abriram mão da luta, nunca desistiram frente aos açoites, às degradações e às injustiças ao longo de muitos séculos e não será agora que se deixarão abater!

Ao mesmo tempo em que repudia veementemente a forma como a questão da população negra foi conduzida pelo governo Temer e reconhecendo que as dificuldades se aprofundarão no governo Bolsonaro, a CUT assume o desafio de continuar a frente na organização da defesa da causa negra e a resistência contra todo tipo de violação aos direitos de todos os humanos, como bem proclama há 70 anos a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Trabalhadores e trabalhadoras, homens e mulheres, crianças, jovens e idosos, negros e negras do Brasil, a luta não começa agora, ela começou há mais de 500 anos.

Vamos seguir juntos, mostrando força, garra e determinação em lutar pelos nossos direitos.

UNIÃO, ORGANIZAÇÃO E MOBILIZAÇÃO POR UM PAÍS MAIS JUSTO, MENOS DESIGUAL E   SEM RACISMO! 

São Paulo, 13 de Dezembro de 2018.

Direção Executiva  CUT Nacional

Fonte: CUT Brasil

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentário
Seu nome